Lembranças de Outrora

Estava abrindo o meu blog e puf! dei de cara com um comentário da moça linda (que andava esnobando meu carinho, há milênios fora da net). Lendo os posts dela, me lembrei de um papo meu com Drex por e-mail em que ele dizia que já tinha saudades de três anos atrás, quando começamos a escrever.

Às vezes, é estranho mesmo continuar escrevendo. Porque nesses três anos, eu já passei meses dedicando pouquíssimas linhas, já tive momentos de mudar o tema dos meus posts, mas eu nunca pensei em mudar de estilo (porque quem me conhece sabe que eu escrevo igualzinho falo) ou mesmo pensei em parar.

Para quem tem blog há muito tempo, é até meio estranho continuar a jogar garrafas nesse marzão (explicação), onde cada vez mais os blogs perdem em qualidade. Ou melhor, os blogs de qualidade tornam-se uma estatística muito pequena diante de blogs diarinho do tipo hoje-comi-no-MacDonald’s-com-minha-mãe e daí fica difícil de encontrar coisa boa. Esse povo aí do lado, ó, levei muito tempo para juntar essa qualidade toda. Já tive mais links, mas as pessoas desistem. Perdem a paciência, não têm mais tempo, cansam de ser famosos, enfim, conheço gente que parou por toda sorte de motivos.

Eu senhores, continuo aqui. E vou continuar para sempre. Já tive mais acessos, já tive mais comentários, já tive mais amigos na internet. E mesmo quando ninguém comentar meus posts, eu vou continuar escrevendo. Porque eu não escrevo para os outros, eu escrevo para mim, porque preciso acreditar que se quero acrescentar alguma coisa a alguém, não vai ser calada que vou conseguir. Então, eu escrevo. E um dia, alguma palavra minha ainda vai servir para fazer alguém pensar por pelo menos um segundo. Quando esse dia chegar, eu vou ter certeza de que sou uma vitoriosa. Enquanto isso, eu escrevo só para me desestressar.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte