Cogito ergo sum

(sim, isto é sobre televisão)
A Filosofia é um pacote de coisas encantadoras. Porque tudo que o homem sabe sobre si e sobre o mundo, antes de se tornar conhecimento científico, precisou ser uma idéia, um pensamento, e então foi comprovado ou refotado por métodos científicos. Isso é Filosofia: questionar para buscar possibilidades de respostas, Filosofar não é concluir ou comprovar, é simplesmente duvidar. Partindo desta premissa, que considero absoluta, vamos aos ataques.

Marilena Chauí é medíocre, alguém que baseie seus conhecimentos filosóficos nela é um pseudo-intelectual, não discuto isso. Como bem disse um amigo hoje, a máxima citação filosófica de Chauí é: gaúchos e baianos são iguais. você nunca verá um gaúcho falando mail de sua terra, nem baianos falando mal da Bahia. Mas tudo bem, ela pelo menos tenta ser didática para explicar Filosofia (vejam bem, eu disse que tenta didática, não que consegue).

Mas Viviane Mosé é de dar medo! Pelo amor de Deus, ela reduziu Kant a uma máquina fotográfica há dez minutos atrás! Nossos sentidos, todas as nossas experiências já vividas se tornam uma janelinha que nos censura a gravar somente aquele pedacinho? Puta que o pariu, que redução absurda do homem que integrou lindamente empirismo e racionalismo! Quer dizer então que nossos valores em nada influenciam? Quer dizer que tudo que já aprendemos não afeta em nada nossa interpretação de coisas novas? Posso então concluir que o fato de alguém não saber tabuada não afeta em absolutamente nada para que se resolva equações de segundo grau?! Putz, quanta merda fala esta mulher… Dá nisso o Fantástico explicar Filosofia baseada na Wikipédia (MEDO!).

Afinal, para que gostar de Olavo de Carvalho e Leandro Konder se podemos perder um tempão falando mal de Marilena Chauí e Viviane Mosé????

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte