O ofício patético de sonhar com palavras

Ei, você, leu Dan Brown? Admita, você foi lá ler o sucesso que o mundo comeu em sopa de letrinhas, leu O Código DaVinci e se for ser bem honesto também leu pelo menos mais um, Anjos e Demônios, Fortaleza Digital ou qualquer coisa que ele escreveu. Tá, isso não é todo mundo que faz e menos ainda que admite. Mesmo quem não foi com a cara do livro, nem das orelhas, nem da contra-capa, não resistiu quando até as peruas estavam lendo na beira da piscina do clube ou quando a febre chegou ao cinema.

Agora vamos à pergunta de um milhão de dólares: quantos livros você aí leu no último ano? Quantos eram novidades? Quando digo novidades, quero dizer para excluir dos cálculos tudo escrito desde os filósofos gregos até os consagrados de meados dos anos 90. Não vale Veríssimo, Clarice Lispector nem Rubem Fonseca – que aliás virou novidade be cult-be cool para new hypes, que eu amo e tenho que dividir com quem pensa que suspensório, cigarrilha e barba define um intelectual. Tirou isso tudo? Agora tira das coisas que você leu os livros que o Fantástico falou que são legais, os caras que deram entrevista no Jô e todos os autores gringos que estavam em destaque por patéticas razões políticas, afinal romance político-social-cultural em pleno Oriente Médio já é clichê. Tirou isso tudo? Então agora me conta: o que você leu? Gostou? Falou bem pra alguém? Deixa eu adivinhar: não leu quase nada, gostou de um só e nem comentou com ninguém, né?

Pois é, daí a gente vê aquela galera sentada numa mesa de bar, reclamando da decadência da cultura e da arte, mesas em que normalmente se discute o cinema arte, gente que tem a cara-de-pau de dizer que Glauber Rocha é o melhor do cinema nacional, que lê Dalton Trevisan e coisas do gênero. Na mesa de bar ao lado, se comenta das mulheres em volta, fala-se do último porre e da próxima viagem. É entre extremos que se dividem as pessoas, pelo menos a grande maioria. Ou você é sócio-fundador da MTV e alienado feliz ou você é um idiota pseudo-intelectual arrotando formatos prontos de acordo com o que outro idiota disse que era sensacional, revelador ou indefectível, sim, porque pseudo-intelectual nunca vai dizer que alguma coisa é foda ou bom pra caralho, vai sempre usar uma palavra babaca.

E nesse mundo cá estou eu, com um livro pronto no computador, me informando, tentando achar um jeito de publicar sem ter que colocar uma arma na cabeça – minha ou de um editor, na dele pra obrigá-lo a publicar ou na minha, porque morta vou virar sucesso.

Faz um favor? Leia! Muito! Coisas novas! E fale pros outros! Um dia, pode ser o meu livro…

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte