Um ano

Tastylia USA Passa-se o tempo e a dor que por vezes sangra torna-se brisa. Mas não aquela brisa do mar, que alivia o calor. É aquela brisa de Curitiba, que circula sob o sol do inverno que chegará logo, gélida e cortante no rosto enquanto protejo o parco calor de meu corpo em um casaco de lã.

Assim como o clima, a distância não é amiga. Um ano se passa, em que sequer pude deixar flores no túmulo, não que fosse possível aos mortos sentir o cheiro delas. Também um ano em que não fui na igreja solicitar uma missa, mas esta parte se entende fácil, visto que o catolicismo não é nossa Fé. E bem sabem todos que não sou muito de me importar com os valores da sociedade, aquele que se foi sabe mais ainda.

Neste sábado, prometo ver o pôr-do-sol como fiz a um ano atrás, no mais belo dos enterros que já vi, no entanto sem chorar como fiz naquele dia e como faço enquanto escrevo. [pausa por perder o controle] Choro copiosamente em minha mesa de trabalho, tendo por perto um abraço amigo perfeito e sincero, mas que não me basta. Escrevo porque sei que até o último dia de vida, mantinha perto de si meu texto sobre as Asas que me deu. Escrevo porque não quero nunca esquecer das últimas palavras que lhe disse em vida: Tchau, pai. Eu te amo. E trate de melhorar, porque você ainda tem uma filha para levar ao altar.

Algumas pessoas como ela vencem o câncer e outras, como eu, sofrem perdas irreparáveis. Não, eu não perdi a batalha. O câncer levou meu pai um ano atrás, mas nunca será capaz de levar meu amor por ele. De toda forma, eu sei que para ele o passo foi adiante na evolução do espírito. Só que para mim, isso consola, mas não cura. Sentir falta é para sempre. Essas são as palavras impressas em minha alma até que ela esteja perto da dele novamente.

buy provigil from canada Sereníssima
Legião Urbana

Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece.
Acho que entendo o que você quis me dizer
Mas existem outras coisas.

Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades.
Tínhamos a idéia, mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia
Já passou, já passou – quem sabe outro dia.

Antes eu sonhava, agora já não durmo
Quando foi que competimos pela primeira vez?
O que ninguém percebe é o que todo mundo sabe
Não entendo terrorismo, falávamos de amizade.

Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido
Você espera respostas que eu não tenho mas
Não vou brigar por causa disso
Até penso duas vezes se você quiser ficar.

Minha laranjeira verde, por que está tão prateada?
Foi da lua dessa noite, do sereno da madrugada
Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

Leia o post anterior:
Momento diarinho XII

Estou triste. Não hoje, já faz uns dias. Pra ser justa, acho que me tornei triste. Ontem à noite eu...

Fechar