A construção de um novo Oriente Médio

Eu não sei exatamente até que ponto os confrontos no Oriente Médio ainda estão em pauta, mas pelo que me consta, mas creio que o público já nem tem mais paciência para escutar as discussões árabes-israelenses-palestinas e afins. O que eu vejo é que aos poucos a mídia encontrou uma pauta similar e acho até que em breve teremos um verdadeiro caos em outro canto do mundo.

Não muito longe de nós (mais longe de mim do que dos meus leitores) eleições presidenciais, intromissões e interesses de governantes nos países próximos cria um quadro que pode ser crítico em algum tempo. Venezuela, Colômbia, Guiana. Não é muito longe daqui. Suas brigas e a interferência internacional muito rapidamente se tornam destaque no jornal e no mundo. Não estamos nós nenhum pouco longe de uma briga que vai entrar em nosso território justamente pela área com a qual somos mais displicentes.

Se não resolvemos nem mesmo os nossos problemas com a estrutura dessa região do Brasil, com seus índios e exploradores, com que direito podemos reclamar quando nossa selva se tornar rota caótica de guerrilha entre estes países e seus problemas? E mais: como vamos evitar entrar numa espécia de guerra que sequer nos interessa?

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

1 Comentário

  • Menina,

    Se olharmos para o início desses países, veremos que na maioria deles os problemas datam da sua criação. Aliás, tem um historiador que diz que a forma como uma nação surgiu é uma espécie de DNA que influenciará diretamente na sua história.

Comentários indisponíveis.

Leia o post anterior:
Cuba está na moda

Foi só Fidel se afastar e Cuba virou assunto da moda, de círculos intelectuais badalados por todo o país estão...

Fechar