Aborto

A primeira coisa que eu me pergunto sobre a legalização do aborto é “qual o problema?” O que exatamente acontecerá de ruim se o aborto for legalizado? Até onde me conste, não é difícil fazer um aborto no Brasil (até já me ligaram certa vez, pedindo telefone de um lugar que fizesse, coisa da minha vida de lobista). Que mal a legalização trará? No final das contas, o que eu vejo é redução do número de crianças abandonadas em latas de lixo e de mulheres em emergências hospitalares por tentar abortar com uma agulha de crochê ou por fazer num lugar perigoso. E nesse ponto, legalização significa regulamentar e regulamentação significa segurança.

Eu não consigo entender os chiliques católicos e de demais religiosos, empunhando a bandeira ‘isso é contra a vontade de Deus’, me parece que mataram aquela aula de catequese sobre o livre-arbítrio. Pessoalmente, sou absolutamente contra o aborto, justamente por conta da minha religião. Mas isso não quer dizer que sou contra a legalização. Como eu expliquei na lista de discussão, acho que as pessoas devem temer primeiro aos seus deuses, depois à lei. Se alguém quiser abortar, as razões são dos pais e façam o que quiser. Ninguém tem direito sobre os outros, essa escolha é de cada um.

Assim como me disse àquela amiga que não localizaria a clínica de aborto porque eu sou contra e falei um monte que ela não deveria fazer, da mesma forma não acho que ela deva ser impedida. Não acho que a sociedade tenha o direito sobre a decisão de um casal. Eu jamais faria um aborto, mas não tenho direito de proibir alguém de fazê-lo.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

16 Comentários

  • Olá,Lomynes

    Estou de volta…tudo bem??

    Tema polêmico,não é?E difícil de opinar!

    Eu não faria,por vários motivos.
    Mas,sou a favor da legalização!

    bjs

  • Sou identica a vc quanto a esse assunto:Sou contra por questoes religiosas e eticas,mas sou a favor da legalizaçao sim,pois cada um sabe o melhor a fazer,nao eh verdade?Bjo

  • Bem, como o meu deus está morto ou não se importa de qualquer jeito, eu sou a favor do aborto.

    Também sou a favor da pena de morte.

    Veja bem, todo mundo morre, cedo ou tarde. Vc só vai estar apressando um pouco o inevitável.

  • Lomyne, concordo plenamente ..
    Se o aborto fosse legalizado, muitas mulheres não morreriam por causa disso, pois a maior causa de problemas é a clandestinidade e falta de cuidados com que o serviço é feito ..
    Se fosse regularizado e tudo “limpinho e certinho”, com certeza se teria menos riscos !!
    Abraço !!

  • Oi!

    Ah, eu já fiz um trabalho sobre aborto (de anencéfalos, principalmente) ano passado… Mas essa é uma questão complicada de se resolver principalmente por causa do viés religioso que o Brasil tem… Mas um dia essa questão vai ser resolvida…=)

    Passa lá no meu blog, tem post novo!=)

    Bjus!!

  • Fecho com você. Eu não indicaria, se fosse mulher não faria, mas não me sinto no direito de restringir o direito alheio de fazer. Acho que cada sabe onde o sapato aperta e a igreja tem que piruar no assunto porque são os representantes legais de Deus na terra… com procuração reconhecida e tudo mais.

    A legalização do aborto é uma questão de saúde pública e a prática do aborto é uma questão de educação… começa tudo num banco de escola…
    Quando o serviço lá é mal feito, acaba com uma agulha de crochê num fundo de quintal.

  • Primeiramente, por ser homem, não acho que tenho o direito de decider pelas mulheres isso, afinal, quem terá o filho é ela (temos a resposabilidade do pai, é claro, mas quem carrega o filho por 9 meses é a mãe).

    Agora, posso dizer que concordo com você, sou totalmente contra o aborto, tentaria fazer com que deisitisse qualquer pessoa conhecida de tentar faê-lo. Mas muito além de um assunto religioso, o aborto é caso de saúde pública. Não me vêm à cabeça agora, mas os números de mulheres que morrem em abortos mal sucedidos é grande.

    De resto, basta dizer que sou a favor da legalização, com algumas reservas se é assassinato ou não: já vi pessoas reclamando contra o assassínio de meninas na China ou bebês indígenas, mas talvez seja algo diferente de um aborto?

    até
    Gustavo Ganso

    ps: essa discução puxa a história da adoção de crianças por casais gays.

  • Gosto muito de uma frase que diz: “Não existem escolhas certas ou escolhas erradas, existem apenas escolhas”. Acho que isso é a base do livre-arbítrio. Toda escolha gera uma conseqüência, e cada um tem que ter consciência disso em seu íntimo. Escolher é desencadear uma ação, e, por conseqüência, uma reação.

    Pelos mesmos motivos que você expôs, mesmo também sendo contra o aborto, sou a favor da legalização. A escolha nunca deixará de ser a chave-mestra da evolução (ou regressão) de cada um…

  • Oi,linda

    Tô na área!!

    Creio que deve ser respeitado o livre arbítrio de cada um.Não acho certo a Igreja ou qq outra religião se envolver nestes assuntos.Se estiver fora da lei,que os que a inflingiram pague no momento certo.

    Bjs

  • §

    Um dos melhores filmes a que já assisti (ainda bem jovenzinha)foi “O Preço de uma escolha”:

    http://epipoca.uol.com.br/filmes_detalhes.php?idf=14047

    Ele mostra bem como as leis e o olhar da sociedade podem influir nas conseqüências de uma escolha individual. O filme mexeu bastante comigo, na época, e ainda hoje quando tento remontar os vários níveis de interpretação possíveis.

    Até bem pouco tempo, eu defendia o mesmo ponto de vista que você, mas mudei um pouco meu conceito com relação a isso.

    Um dos motivos: uma injeção anticoncepcional custa menos de R$22,00. Tomando uma vez por mês, não se engravida. Pílulas anticoncepcionais e preservativos são distribuídos gratuitamente em postos de saúde.

    Estou longe de ser religiosa, muito longe mesmo, mas vejo o aborto como um crime, tanto quanto qualquer outro tipo de assassinato. Com o agravante de a pessoinha em questão não ter a menor chance de se defender. Alguém aqui diria: “Eu jamais mataria meus pais, mas não tenho direito de proibir alguém de fazê-lo.”? Acho que não.

    Conheço casos de pessoas que pensaram seriamente em aborto e hoje estão felizes da vida e orgulhosos com os filhos lindos que têm. Não vou falar dos casos em que a mulher fez aborto e se arrependeu, porque alguns dirão que uma assistência psicológica bastaria.

    Tenho vindo aqui há alguns dias e, pela primeira vez, estou deixando minha garrafinha, que muitos acreditarão reacionária, mas tenha certeza de que foi pautada a partir de alguns anos de experiência e reflexão e não pelo senso comum.

    §

  • Bom, questão complicada essa, hein? Minha nossa!

    Certa vez acompanhei uma amiga nesse procedimento. Não apoiei ela, pelo contrário. Mas não tive como não estar presente. Vi sua angústia e seu desespero ao constatar que as pílulas abortivas não surtiram efeito. Não queria estar em seu lugar quando precisou ir a tal clínica de aborto.

    Por isso, concordo que tudo pode ser evitado. O mundo está habituado a remediar situações, erros, tragédias. Só toma consciência quando é tarde demais.

    Sexo é bom de qualquer forma. Então, por que não se previnir? Por que não pensar um pouco antes de agir?

    Aborto, para mim, só em caso de estupro.

  • gente! por favor preciso de ajuda.
    acidentalmente a camisinha do meu parceiro estourou e nao percebemos.
    acho que estou gravida e estou com medo… nao é a hora disso acontecer pois nao tenho nenhuma estrutura para levar isso adiante.
    onde enconto uma clinica que interrompa a gestação?
    Aguardo uma resposta o meis rápido possível !!!!!

    e-mail para resposta : mikamv@hotmail.com

Comentários indisponíveis.