Velha Infância

Final de semana passado fui ao Rio de Janeiro, ritmo de bate e volta mesmo. Às onze da noite de sexta-feira, estava fumando um cigarro num daqueles postos de gasolina bem bacanas e vi, pelo vão do portão – ao lado da vitrine da loja de muambas -, que ainda existe lá a cidade em miniatura que eu amava brincar quando era criança e fazia este trajeto de dia com meus pais. Como qualquer criança normal, fiquei olhando encantada para aquelas casinhas forradas com luzes de natal. Estava admirando como a vila ficou bonita reformada quando escuto do meu lado “olha, mãe!” e esbocei um sorriso ao ouvir aquela voz de menina animada. Só esbocei mesmo, porque olhei para o lado e qual minha surpresa ao ver uma menina de uns 7 anos de idade, apontando para a revista Capricho na vitrine ao lado com o NX Zero na capa. Meu quase sorriso caiu na hora.

Tá ok, eu gosto do NX Zero, admito que tenho uma certa quedinha pelas musiquinhas deles (viva os pseudos!). Mas porra, é uma criança! Como é que pode? Ela deveria se encantar com aquela cidade em miniatura, com as possibilidades que aquilo representa, nessa idade não podia estar fora do universo do faz-de-conta! Aí quando chegar aos vinte e cinco anos vai ser uma frustrada cheia de comportamentos infantis e se dar conta que não teve infância… Para que a pressa de crescer, hein?

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

12 Comentários

  • Acho que nossos pais tambem nao entendiam nossos comportamentos, a infancia sempre se transfigura e muda… nós que tivemos uma infancia fantasiada, cheia de contos de fadas, de fantasias inventadas temos medo da infancia adulta que se aproxima, uma geração sem infancia e talvez muito mais triste esteja nascendo…

    beijos

  • Pois eu discordo do Pávon e concordo com vc. Eu culpo muito aos pais esse amadurecimento precoce de seus filhos. O meu tem 9 anos e, GRAÇAS A DEUS, é ainda muito criança. E não faço questão nenhuma que ele pule etapas. É lógico que ele sabe muito mais coisas do que eu sabia na idade dele,mas ainda carrega muita inocência, que no tempo certo irá perder.
    Bjs!

  • Fato contundente numa sociedade rasgada por divórcios de família esquecida.

    Esqueceram da família, da infância, do almoço na casa vovó.

    Família é compartilhar, é abrir mão para receber algo maior.

    É abrir mão do próprio tempo para manter seu filho na infância, com histórias e canções.

    Vou postar algo sobre. Compartilho de sua opinião.

    Bejo pra vc borboleta.

  • Humm, concordo com vc, para que querer envelhecer tão rápido? Humm, não conheço nada de NX Zero, eles são da turma emo, não é isso?

    beijos

  • Cara Lomyne,

    A criança tem desculpa e está perdoada.. não tem senso crítico formado.
    mas você… ? Não te perdôo…
    Cria vergonha na cara, mulher.. gostar de NX Zero?
    rs
    rs
    rs
    Bjs 🙂
    rs

  • As crianças querem deixar de ser criança rápido demais…

    O pior é que a vida adulta não tem atrativo nenhum!!!

    eu quero voltar no tempo!!!

    esse é um desejo que colocaria dentro de uma garrafa e gostaria que se realizasse.
    Sindrome do Peter Pan!

    Grande beijO!

  • As crianças são consumidoras compulsiva de tudo aquilo que aparece na tv e os pais são responsáveis quando adotam a tv como babás. Boa semana! Beijus

  • Eu não sabia desse seu lado emo…hehehehe
    Na verdade eu sei, mas não sabia que gostava de NX Zero.
    Já sei o que te dar de presente de natal.

    Bom não é de se admirar uma criança tendo esta reação, a mídia e os meios voltados as crianças só pregam isso. O que é aquela Maysa, uma “adulta” em miniatura…
    Fazer o quê né…vai matar? Não tem que ‘inducar’, tem que ‘iscrarecê’

    Beijos, me liga que estou com saudades!

  • Sei lá… acho que depois de pais e mães na batalha o dia inteiro, TV martelando bobagens o dia todo, internet e etc etc, não há educação que resista…
    Só rezando e pedindo proteção divina…
    Bjs

Comentários indisponíveis.