Se manque, você não é jornalista!

Então tá, o Supremo Tribunal Federal, este nobre órgão brasileiro recheado de pessoas superantenadas e modernosas, está pretendendo derrubar a Lei de Imprensa, com apoio da Associação Brasileira de Imprensa, ONGs relacionadas e o caralho a quatro. Todo mundo querendo acabar com a coitada da lei. Ok, não tem porque prever direito de resposta, cela especial, penalidades por calúnia e difamação, já que tudo isso está previsto em outras leis válidas para todos os cidadãos.

Só que o ponto mais importante está sendo meio que ignorado: se a Lei de Imprensa cair, cai também a obrigatoriedade do diploma. Eu não sou jornalista, isso é um blog, vejo a meia milha de distância o perigo da desregulamentação da profissão. É evidente que sem o diploma obrigatório, qualquer um vai se meter a escrever para jornal, imagina a nhaca.

Apesar de dar valor ao bom português e ser até bastante purista para escrever, eu não me preocupo com o idioma, não. A maior vítima da desregulamentação é a responsabilidade. O jornalista tem um compromisso legal e um juramento em prol da verdade – apesar de alguns profissionais não serem exatamente exemplares. Essa é a diferença de ser jornalista, é só isso que importa. O resto é firula.

watch “Seja como for, o fato é que no Brasil não é verdade
source url enquanto não passar no Jornal Nacional”
Augusto Nunes, em conversa pessoal, abril de 2001.

Por algum acaso o respeito que o Jornal Nacional tem é oriundo do seu amadorismo? Ou do imenso compromentimento com um alto nível de profissionalização? Nem adianta argumentar que hoje muita gente se informa pela internet, por blogs e coisas do gênero; o povo só acredita na notícia quando ela é divulgada pela fonte mais confiável que conhece.

Lyrica tablets buy online p.s.: pseudos que vierem aqui com aquela cena básica de que a Globo e a Veja manipulam o país, favor ir à merda.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

17 Comentários

  • Oi, Selena. Eu vou catar aqui o post explicando porque eu defendo a Globo e a Veja e te mando… mas não se ofenda, por favor. Nada pessoal.

  • Eu sou jornalista e eu sou a favor da não obrigatoriedade do diploma.
    E isso não acaba com as faculdades, pelo contrário, acho que elas ganharão força.

    Grandes grupos de comunicação não vão contratar qualquer um. Além do mais, eles vão deixar de pagar multas toda vez que colocarem colunas e artigos de especialistas em algum assunto, que não são jornalistas.

    E sobre a Veja: Se você morasse em Minas, iria ver que ela é o menor dos males. Não a defendo, aliás, acho a revista uma bela de uma porcaria. Mas o Estado de Minas anda fazendo coisa pior.

  • Bem, eu dou aulas de direito na faculdade de jornalismo e, portanto, estou bem entrosada com a questão. Não tem nada a ver a lei de imprensa com a regulamentação da profissão de jornalismo. São duas ações diferentes, e com matérias diferentes, ainda que as duas tenham a ver com o jornalismo.

  • Olá,

    Claro que não me ofendi, também brinquei..sei e entendo a seriedade desse assunto..sim gostaria de ler toda a matéria…quanto a Tv Globo tenho mitas reservas, mas seu jornalismo é quase imparcial e o departamento de jornalismo é uma das poucas coisas boas que ela tem. A revista veja eu leio frequentemente e ler não significa concordar e admitir prá si…enfimm

    beijos,
    Selena

  • Humm, sabe que eu tenho sérias dúvidas a respeito desse assunto? Quantas vezes já vi entrevistas feitas por jornalistas formados mas que não tinham o menor preparo ou conhecimento sobre o assunto em questão e, por algum motivo, o que era publicado tinha deturpações que poderiam complicar a vida dos entrevistados…

    beijos, flor

  • Bem, eu não sou a favor de ter que ter um diploma pra ser jornalista. Até porque com a qtde de faculdades mequetrefes por ai, o diploma é só mais um papel. O trabalho do cara é que vai garantir o emprego dele ou não.

  • Olha, guapa, eu acho que as coisas vão um pouco além da Lei da Imprensa… Mas como eu não estou acompanhando, deixa quieto.

    Porém, concordo com alguns comentários que já foram feitos… Meios de comunicação verdadeiramente sérios não vão contratar qualquer um… E, realmente, é muito fácil se conseguir um diploma de jornalismo meia-boca em qualquer faculdade de esquina… Por isso que é muito complicado! …. rsrs…

    E eu não quero ser mandada à merda, então, deixa pra lá… =)

  • Selena,

    Não é pra entrar nesse mérito, mas das duas uma: ou você vê uma Rede Globo diferente da minha ou você foi sarcástica. Espero que tenha sido a segunda opção. 🙂

  • Olá Felipe,

    Vamos para uma rapidinha que é a nossa melhor saída agora…três horas e um minuto foi lindo você não achou…Del Potro realmente fez por merecer, mas eu sou muito mais o Nadal..prefiro os espanhois aos argentinos..gosto sabe como é não se discuti..Mas voltando a questão anterior, precisariamos mais que um café para poder descubrir..isso não é um convite…são apenas considerações e interpretações de escrita e leitura sem falsas esperanças…
    beijos,

  • Não vou comentar sobre a lei porque estou muito por fora do assunto… rs. Sobre Veja e Globo, acho que são válidas como fontes de informação, não como formadoras de opinião. Se as pessoas fossem capazes de formar as próprias opiniões ao invés de abraçar as idéias dos outros, esse tipo de discussão nem existiria.

    E obrigada pelo selo da Reforma Ortográfica, vou colocar no blog já! rs

    Beijos, linda.

  • Maria e Enxaqueca, obrigada pelo esclarecimento de estes assuntos estão sendo tratados em separado pelo Supremo, peço desculpas pela confusão, já que as notícias tem saído sempre relacionando as duas coisas em um pacote só.

    De toda forma, mantenho meu propósito de discutir a obrigatoriedade do diploma, que considero importante, sim. E quanto àqueles a favor de liberar o emprego de jornalista para qualquer um, só uma curiosidade: você pega qualquer um para ser seu advogado? E seu contador? É certo uma escola contratar como professor alguém que não tem licenciatura?

    Porque para jornalista qualquer um serve? Será mesmo que é tão fácil ser jornalista? E será que “aprender trabalhando” basta? Eu duvido.

  • Olá Lomyne,

    Em momento algum eu saí do assunto do seu post, apenas abrandei-o com uma brincadeira, pois o Felipe tem um blog de rapidinhas de esportes e com essa brincadeira eu respondo a pergunta qque ele me fez. Perdoe-me pela invasão, retire-o por favor.
    E obrigada por tão sutil comentário.
    Beijos,
    Selena

  • Oi, Selena, desculpe, eu realmente não tinha entendido, porque só hoje estou indo no blog do Felipe, mas não vou deletar nada não… O que é dito aqui, é dito aqui. Eu mantenho tudo. Faz parte!

  • Selena,

    Eu entendi a piadinha, fique tranquila. 🙂
    Mas o café também é bem vindo, com ou sem esperanças e escritas. 🙂

    E Lomyne, eu acho que é diferente, a questão do advogado/contador/jornalista. O fato de não ser necessário o diploma não significa que os jornais vão empregar qualquer um. A escola continua sendo necessária, não só pelas técnicas, mas pela base teórica e ética.

Comentários indisponíveis.

Leia o post anterior:
Diálogos absurdos

Minha avó acabou de entrar aqui e disparou:- Você sabia que tinha desfile hoje no clube? - Não, vó. -...

Fechar