Eu não sei se o processo de impeachment é golpe

Há quase um ano o país discute em maior ou menor grau o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Nesse período, eu li toneladas de notícias sérias, um monte de textos descaradamente opinativos e incontáveis postagens elaboradas. Sabe a que conclusão cheguei? Nenhuma. Logo eu, tão cheia de opiniões, não tenho certezas sobre o impeachment.

Mais do que a televisão ou a pesquisa ativa de notícias, as informações que eu angariei vem das minhas conexões pessoais: grupos do Whatsapp e feed do Facebook. Sei que isso é um recorte artificial, pois a quantidade de pessoas de direita na família é bem alta e os poucos de esquerda não podem ser chamados de razoáveis. Já entre os amigos, tenho quantidades equilibradas para direita e esquerda. No balanço geral, só um amigo cuja opinião nunca fugiu do bom senso.

Então, se eu não posso confiar na televisão, nem nos contatos pessoais, nem no (assim chamado) jornalismo disponível na internet, como posso formar uma opinião adequada?

O cenário de crise econômica me parece o suficiente para declarar que Dilma foi ineficiente na sua gestão. Em princípio, eu acredito que incompetência não é crime e não me sinto confortável em apontar uma crise nacional como motivo para impeachment. Meu alinhamento ideológico tende à direita, mas não sou burra o suficiente pra fundamentar impeachment em incompetência.

Li muita coisa, há pessoas que realmente entendem de leis pró e contra o impeachment e em meio a tanto juridiquês eu só me sinto manipulada, pelos dois lados.

A linha de argumentação pró Dilma grita que é golpe e pronto, na grande maioria dos casos, não há qualquer argumento além desse. Pelo que eu consegui entender, não dá pra chamar de golpe um processo que – mal-intencionado ou não – está previsto legalmente e até onde me consta nenhum direito foi negado.

O processo do Collor foi diferente, ele renunciou, seu impeachment foi votado apesar da renúncia, foi inocentado no Supremo. E ainda assim consta nos livros de história, embora eu não faça ideia de como essa história tem sido contada aos estudantes de hoje.

São tempos estranhos. Um dia, meu filho vai chegar da escola e me perguntar sobre essa época. Eu não sei o que vou dizer. Eu não sei o que dizer hoje, em que perdemos a presidente da república.

Se o tempo provar que o que aconteceu hoje foi errado, eu vou ficar me perguntando o que poderia ter feito. Afinal, certo ou errado, o processo legal parece ter sido adequado. O que nós poderíamos ter feito de verdade, além de protestar junto aos políticos eleitos? Se isso está mesmo errado, será que não somos nós cidadãos inúteis diante da máquina política? E como se muda isso?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Post Author: Lomyne

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.