Um ano de Tinder e os homens que não compreendo

Hoje eu já não entro no Tinder por motivos de total indisponibilidade emocional, mas como comecei 2017 pela milésima vez prometendo a mim mesma que vou escrever mais no blog resolvi desengavetar os 14 posts inacabados que tenho (sim, eu contei) e postar. Decidi começar por esse por motivos de: estava praticamente pronto e deve ser por esses dias que faz um ano que instalei.

O Tinder surgiu enquanto eu estava em um relacionamento, então mesmo sem nunca ter entrado eu já tinha uma opinião semi-formada. Costumo dizer que o Tinder é um açougue: você entra lá pra escolher o melhor pedaço de carne. Não dá pra esperar outra coisa de um aplicativo baseado em uma seleção de 6 fotos e algumas poucas linhas de descrição. É tipo uma balada: você dá uma olhada em tudo que tem e se achar alguém interessante você vai (tentar) conversar. Praticamente nunca sai alguma coisa que preste, a menos que você esteja bem bêbado – igual balada.

Janeiro do ano passado, já tinha me separado há alguns meses e precisava conhecer gente nova em algum lugar. Tenho uma forte preferência por fazer isso sem ouvir música ruim e sem pagar entrada, então Tinder. Configurei faixa etária entre 30 e 40 anos e vambora, ver o que rola.

buy Lyrica overnight Depois de 10 minutos:
Puta aplicativo bosta, meio tongo o sistema, perfil criado, range definido.

neurontin online no script Depois de meia hora:
Olha só, que nível interessante. Só gente fina, elegante, sincera, altas imagens de viagens. Todo mundo tão viajado e eu nem tenho passaporte…

http://workngsd.com/wp-content/plugins/dzs-videogallery/ajax.php Depois de algumas horas:
Todo mundo coordenador, CFO, CTO, pica das galáxias. Eu cá com meus botões tinha achado que seria boçal da minha parte escrever que sou coordenadora, depois fui lá e editei.

Depois de um dia:
Ok, eu preciso estabelecer critérios de desclassificação automática, porque olha, da análise preliminar que fica no talvez, 99% não sobrevive à visualização completa do perfil. E assim surgiu a lista de coisas inadmissíveis (ou a primeira versão dela):

Foto de perfil: abdômen.
Qualquer sinal com a mão (metal, vidaloka, paz e amor, foda-se).
Todas as fotos sem camisa.
Todas as fotos com óculos escuros.
Erros de português no texto do perfil.
Foto do carro/moto (sem pessoa, só “patrimônio”).
Pelo menos uma foto exclusivamente de algo relacionado ao time de futebol.
Incapacidade de entender o funcionamento dos campos “instituição de ensino” e “profissão”.
Fotos com bebidas em copos de plástico (sempre faz combo com a foto sem camisa, repara).

Depois de duas semanas:
Nossa, posso escrever um tratado sobre estes aplicativos. Mentira, não posso, porque eu tenho algumas sugestões, mas o que mais me ocorre é um amontoado de perguntas, dúvidas sérias sobre como funciona a cabeça das pessoas… Um ano depois, muitas coisas me intrigam e eu gostaria de perguntar ao usuário médio do Tinder:

1. Por que colocar várias vezes a mesma foto?
2. Qual é o lance com a mão?
3. Só uma foto, do abdômen. Isso funciona?
4. Foto de casal, é proposta de combo? Funciona?
5. Nenhuma foto, sério? Você é casado, né?
6. Todas as fotos de boné: sério colega, quantos anos você tem?
7. Todas fotos de óculos escuros: qual o problema com seus olhos?
8. Nadinha de texto? Você é analfabeto funcional?
9. Número do Whatsapp no perfil: sério que você realmente dá papo pra todo mundo? Duvido, mas ok.
10. “Sou diferente de todos os caras que você conheceu” – sério, você tem certeza que é a última bolacha do pacote e vai chegar numa guria escrotizando tudo que ela já viveu? Ou você já tá avisando que é um bosta?
11. “Só procurando amizades”. No Tinder? Ah, vá!

Uma amiga minha costuma dizer que eu sou o maior sucesso que ela conhece no Tinder, mas eu tenho uma lista de causos desastrosos que merece ser contada com mais amor. Pretendo escrever um outro post com uma série deles, mas um já foi postado, clique aqui pra rir da tragédia alheia.

p.s.: a lista de critérios automáticos de eliminação é bem maior, mas o restante são coisas que eu não vejo nada de errado alguém curtir, só quero pra minha vida, por exemplo um praticante de stand up paddle ou alguém que tire foto na academia.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

Leia o post anterior:
O Tinder não é para amadores

Há um ano, eu me separei. Com 34 anos, um círculo pequeno de amigos e nenhum saco pra balada, em...

Fechar