As pessoas e os ônibus

buy generic neurontin online Hoje, por volta de 9h da manhã, esperando o ônibus pro trabalho.

– O verde já passou? – pergunta a senhorinha sobre o Interbairros II.
– Já sim, senhora. Passaram três seguidos.
– Será que demora pra vir outro?
– Acredito que não, é horário de pico, provavelmente estavam atrasados. Já já passa outro.
– Ah, não quando é assim, ixi, demora muito, porque tem vez que acontece acidente e ai eles se ajuntam e demoram muito.

where can i buy indocin Ora porra, se você já sabe a resposta e já tem uma merda duma certeza, pra que caralhos tá me perguntando? Eu nem bem acabei o resmungo mental e o ônibus da bendita passa.

– Você tá esperando o Guanabara? -vem a segunda aleatória do dia.
– Tô, faz uns 15 minutos já.
– Nossa, mas já passou um pra lá?
– Já sim, faz bem uns 10 minutos.
– Ah então já passa um.

5 minutos e 3 ônibus amarelos depois, a aleatória vem bancar o oráculo e dar aquela ofendidinha básica:

– Você viu errado o ônibus, não é possível, devia ser o Raposo Tavares. Porque passou um pra lá, já tinha que ter passado pra cá. Você viu errado, só pode.

Para a puta que pariu, já de manhã cedo? Duas no mesmo dia? O ônibus passa logo em seguida, eu sento a uma distância segura do oráculo e a vida segue.

Aí eu fico pensando: que que tem de errado com a humanidade? Ou pelo menos qual é o problema das senhorinhas das Mercês? Quinta-feira de manhã e duas já me tiraram pra burra, além de estarem cheias de certezas sobre as coisas que perguntaram.

Tá querendo fazer amizade? Tá achando que eu preciso de orientações sobre os ônibus perto da minha casa? E principalmente qual a diferença que esses malditos diálogos fazem na sua vida? Por acaso se o ônibus for demorar mais 2 minutos você vai pegar um táxi? Ou vai ficar gralhando no meu ouvido mesmo, ao invés de ligar pra porra da prefeitura e colocar suas reclamações a quem cabe?

Calma, Lomyne, calma, relaxa, amanhã você entra de férias. Respira, respira…

Vida de Marketing Online

Não precisa muito esforço. É só pegar um artigo recente sobre profissões em alta ou com futuro promissor – não importa se é sobre demanda de contratação, bons salários ou vagas abertas. Marketing online vai estar na lista de alguma maneira.

Por tudo que li nesse sentido, posso dizer que rola uma certa glamourização, uma promessa maior do que a realidade pode oferecer. Há uma crença cada vez maior de que trabalhar com isso é uma parada mágica, sabe? Você escolhe trabalhar com marketing online e see plim! você é um coordenador(a) com um salário de R$ 10 mil. Sem querer estragar a empolgação, salário de coordenador pagando 10 mil é coisa que só acontece em São Paulo e/ou em alguma empresa específica. A média de mercado não é isso aê.

Hoje eu estou muito bem profissionalmente, mas levei muito tempo pra chegar até aqui. Existe uma mentalidade muito forte das expectativas da Ana, além da noção de que se você faz o que gosta vai ganhar bem. Como diz a minha mãe, não é assim que a banda toca.

Marketing online é um mercado de trabalho extremamente novo e não faz muito tempo que as empresas entenderam que é rentável, então a demanda de profissionais explode. Só que o mercado precisa de profissionais prontos, que entreguem resultado de qualidade cada vez melhor. Não é o cara que acabou de fazer um cursinho de 8 horas sobre AdWords e 8 sobre Social Media.

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

Parafraseando Leminski, depois do curso tem muita coisa pra ser aprendida, a maior parte do aprendizado é enquanto trabalha e isso só acontece com o tempo. O lugar de trabalho bacana existe, o salário massa tá aí, mas não é da noite pro dia.

Então olha, tá a fim de chegar a algum lugar na vida? Escolha o que tá a fim de fazer, aprenda, trabalhe, mas saiba que você precisa de tempo e esforço dedicado naquilo pra obter resultado. E com isso, quando você chegar lá, o cenário pode ser outro. Enquanto você estava estudando e trabalhando nisso, outras pessoas também estavam. E aí a concorrência de mercado aumentou, a demanda já está sendo absorvida e no final do dia o que vai fazer a diferença é o quanto você trabalhou.

Às vezes, acontecem exceções, um cara de menos de 30 anos de repente tá na lista da Forbes por conta de uma super ideia, tipo o Zuckerberg. Só que nenhum deles chegou lá sem muito trabalho, sem se esforçar.

Definitivamente, o mercado de trabalho precisa parar de acreditar na Cinderela.