Ops!

Malandragem é uma coisa que não se ensina a ninguém. Ou você nasce sabendo ou aprende na porrada. Mesmo assim eu resolvi postar uma pérola que guardo com todo carinho: algumas regras do que chamo de Estatuto de Malandragem, redigido a partir das pauladas que levei na cabeça e das que meus amigos mais próximos levaram. Todas as regras estão no masculino, por preguiça minha de colocar os (a).

Regra I: Não importa quão malandro você seja, sempre há alguém ainda mais malandro por perto.Aplicação: Se você está armando alguma, provavelmente alguém está percebendo. Quando isso acontece, você tem duas escolhas: ou se alia a quem percebeu ou jura inocência até o fim de seus dias (este normalmente é o caso quando o mais malandro que você é justamente quem precisava ser enganado, a não ser que este alguém finja que não viu…).

Regra II: Malandro que se preza sabe mentir, tem álibi e se for questionado responde rápido.Aplicação: Nunca diga hã? hein? ou qualquer coisa do gênero. Hã? é tempo para pensar e você se denuncia. Se ficar vermelho, então, fodeu!

Regra III: Apague seus rastros.Aplicação: Se comer outra mulher usando a camisinha da carteira, compre outra antes de chegar em casa, nunca faça isso dentro do carro e evite freqüentar lugares onde você não poderá negar sua presença depois. Noutras palavras, se for a uma boate não dance no palco.

Regra IV: Se você viu a malandragem de alguém, feche seu bico.Aplicação: É vantagem pura: você ganha um amigo para te ajudar na próxima malandragem sua ou, caso contrário, chantagem é sempre uma ferramenta viável. Além disso, você pode rir disso sozinho cada vez que encontrar o dito cujo…

Regra V: Mantenha seu teor alcoólico um pouco abaixo dos que te cercam.Aplicação: Você vê o que todo mundo faz, ri para caralho, só corre o risco de ter que levar geral em casa, mas aí é só cobrar o racha da gasolina e está tudo certo (encha o tanque, claro).

Essas são as cinco primeiras, tenho mais um monte anotadas em pequenos papeizinhos que não consigo localizar no meio dos meus posts de gaveta. Quando eu encontrar eu posto. E caso alguém resolva perguntar o porque desse título, sorry, piada interna.

Sobre

Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

Leia o post anterior:
22

Lá se vão vinte e dois e eu sentada de novo na mesa de bar. Pessoas de muito antigamente e...

Fechar