Sobre

http://groorganic.net/?p=12900 Eu sou uma ideia abstrata de mim mesma, vivendo para o meu trabalho e insistindo em acreditar que algum dia eu vou conseguir escrever o tanto que penso.

Vai que você curte

11 Comentários

  • Lomyne
    Sei não…isso é muito complicado .
    gostei do ‘ato falho! rs

    Obrigada por ter me enviado o link da Martha…e olha que eu procurei,hein!Vou renovar o post indicando o link..Obrigada,querida
    beijo

  • ah sei lá… errar é humano, ora bolas!
    ninguém é obrigado a conhecer “facções rivais” afinal. euhein?!?

    bjs

  • Pois é, errar é humano! =)

    Ah, eu não sabia que eu era o primeiro garrafeiro novo por aqui. E não tem nada cafona isso não. 😉

  • Nossa..seu Blog é ótimo!
    Vejo sempre vc nos Blogs dos meus amigo e vim bisbilhotar…

    Errar é humano..claro!rs

    Volto para ler mais..

    abração

  • Oi,Lomáine

    Fiquei aqui pensando o que vc quer com esse minúculo questionamento..rs

    Tá…ato falho de quem??rs(ironia tb)

    Já coloquei o link da vela…
    E,quero participação porque minhas amigas estão todas acendendo velas por aí…Tem gente acendendo para os bandidinhos ,tá??

    bjs

  • Nãao sei se é essa a resposta!
    Isso é beem complicado, não é assim tão facil comoo parecee. Antes fosse!

    Sobre o comentarioo que fez no meu blog:
    Não acho que um beijo antes do fim do mundo mudaria algo, muito menos que o amor de desespero valha a pena. Não é nisso que acredito, mas pense bem: lutara por alguém a vida toda, talvez gostaria de receber o último beijo do amado (a), mesmo que este fosse, literalmente, o último beijo.
    Não sei se percebeu, mas a palavra pela metade ao fim da crônica mostra que o mundo acabou e eles não se beijaram. Ou seja, mesmo que tivesse sido beijado, de nada teria adiantado.

    É por isso que acho dificil escrever sobre o amor, é algo cheio de contradições, e ao mesmo tempo, com tantas coisas a se falar sobre!

Comentários indisponíveis.

Leia o post anterior:
Ruth Cardoso

Primeiro, considero uma grande antropóloga, uma das poucas que largaram o discurso acadêmico e fizeram acontecer. Segundo, sei que foi...

Fechar